Até que ponto é insegurança mesmo?

Até que ponto é insegurança mesmo?

A Sarah está na escola. Ok, até aí tudo bem, tudo normal: com os primeiros anos escolares, vem a apresentação das primeiras letras e números, a descoberta das viagens por meio da leitura. Porém, antes de toda essa aventura, estamos lidando com uma das maiores dificuldades de nossas vidas : como despertar o interesse dos meus filhos pelos estudos?

Tem sido dias difíceis para mim e o Marcos ajudar a Sarah. Não vemos interesse , muito menos vontade nenhuma de se esforçar, e quando faz é sempre de má vontade. Inventa dores onde não existem, logo vem o choro.

Percebo sempre que se sente insegura, ou com medo de errar, ela trava. Talvez o erro seja meu também, na maneira que sempre tento por em sua cabeçinha, que é possível aprender, basta que se interesse, caso contrário, as lições não sairão do lugar. Mas por mais dura que minhas palavras sejam para sua pouca idade, a realidade da vida é esta . Lá fora, ninguém irá fazer as coisas pra você, lá fora é preciso esforço, é preciso se levantar e correr atrás do seu sucesso, só assim terá valor. Se eu a entregar tudo de mãos beijadas, não aprenderá a correr atrás do que é seu. Acabará achando que tudo é fácil, o que na verdade é uma grande ilusão. Por hora, nossa dificuldade como pais, está sendo incentivá-la a tentar . Frequentemente, somos chamados à escola, e as reclamações são as mesmas. Para driblar as aulas, cria, dores, e quando questionada, diz que nunca a levamos ao médico. Como reagir quando um professor cobra algo que não tenha lógica? Se enquanto está em casa NÃO TEM NADA?

Não estou dizendo que nunca a levamos ao pediatra, nós como pais, sabemos de nossas obrigações, e claro, sabemos também quando o problema é sério. Acreditem, até hoje, o que realmente a incomoda são as dores de ouvido no inverno. Há controvérsias quando dizem que crianças não mentem, algumas até são cruéis .

Maas, como mãe, acho justo depois de todas essas queixas frequentes dela, agendar um check-up geral, pois algum tempo atrás, cheguei a pensar na possibilidade dela ter mesmo um problema , como por exemplo a dislexia. Alguns dias atrás, olhando os cadernos dela, reparei a maneira que escreve. Geralmente, os números e letras estão ao contrário , e muitas vezes esquece de coisas que acabamos de ensiná-la . Infelizmente, não conhecemos nada a respeito , mas se realmente for isso, nós pais é que precisamos aprender a conhecer nossa filha, e entender as necessidades dela. O que me deixa mais intrigada, é a facilidade em que seu comportamento muda diante das circunstâncias. É assim somente na escola, ou enquanto a ajudamos durante as tarefas em casa. Pois com os colegas de classe, se mostra atenciosa, está sempre tentando agradar todos. Sempre os trata com gentileza…

Isso me preocupa também, o excesso de perfeição que quer demonstrar aos amigos pode frustrá-la , e isso é algo que não poderei impedir, pois faz parte de nossa existência.

Vale ressaltar que no ano passado tivemos o mesmo problema, mas a queixa era outra, as brincadeiras de mal gosto por parte de outras crianças. Este ano , mudei o turno. E até agora, não houve reclamações de outros alunos .

São tantas teorias e hipóteses, que me deixam cada vez mais confusa. Independente de tudo, tenho certeza que estaremos prontos para o que der e vier, sempre!

Deixe uma resposta